Ano: 2006/2008
Área Total: 800m²
Localização: Angra Dos Reis

Uma casa indígena

Inspiração

Este projeto buscou inspiração em arquiteturas brasileiras indígenas, fruto de climas quentes e úmidos como o local da casa, Angra dos Reis, Rio de Janeiro.

A Cobertura

Funciona como uma grande folha que protege do sol todos os cômodos da casa, assim como os espaços livres entre eles. Esses espaços livres representam a essência do projeto, e como não poderia deixar de ser, são os espaços mais interessantes e mais utilizados pelas pessoas que frequentam a casa.

As direções

A cobertura tem na maior parte das vezes um pé direito muito alto e permite que o vento dominante de sudeste venha frontalmente do mar em direção e através da casa, provendo a todas as áreas, abertas ou fechadas, ventilação e resfriamento passivo. Ecoeficiência low-tech, onde ela tem o maior poder de ação num prédio, o conceito do projeto arquitetônico.

Nós entendemos a casa de praia como um meio de melhorar e tornar mais agradável a interação do homem com a natureza. Nunca separá-los totalmente. Não há corredores.

Inside out

Há muita transparência e integração entre dentro e fora, quase uma fusão entre eles. Neste aspecto é interessante realçar a passagem do paisagismo pelo térreo da casa, tanto pelo uso de vegetação quanto pela piscina que ao atravessar a casa se transforma em espelho d’água na varanda posterior. Esta varanda é chamada pelo pessoal do escritório como “lounge brasileiro”, pela adoção de redes para a área de descanso da sauna, enterrada no terreno que começa a subir a partir desta varanda.

Exterior

Toda a estrutura da cobertura foi feita em madeira laminada de eucalipto, que devido ao seu processo de fabricação consegue ao mesmo tempo vencer grandes vãos (20 metros é o maior da casa) com facilidade e refinamento estético. O telhado, devido á sua geometria complexa, é feito em pequenas peças de madeira (pinús).

O eucalipto, assim como o Pinus, são espécies plantadas para reflorestamento e usadas como matéria-prima consideradas renováveis, pela velocidade que atingem o momento ideal de serem colhidas. Todas as superfícies de acabamento da casa, exceção feita ao vidro e ao cobre patinado, são naturais: Ardósia ferrugem em tiras, madeira natural, madeira de cruzeta de poste no piso do térreo e tramas de bambu.

Interior

O uso destes materiais naturais, do vidro e do cobre patinado (que adquire um tom esverdeado e tem vida útil muito longa) e a estética orgânica, rica em detalhes como diferentes ritmos e texturas, provocou um fato interessante: A sensação de que a casa, nova em folha, parece estar ali desde sempre, em grande harmonia com a natureza exuberante de Angra. A sensação de pertencer ao lugar.

Fotógrafo: Leonardo Finotti
Autores: Ivo Mareines, Rafael Patalano

Escola MOPI

A árvore do ensino